domingo, 31 de janeiro de 2010

Vício 2

Não é de todo verdade que não tenho me dedicado à literatura contemporânea. Andei degustando uma boa leva. Os ótimos estadunidenses (credo, escrever ou falar isso sempre me dá estranhamento, o que é o poder do condicionamento imperialista) Raymond Carver, Charles D'Ambrosio e Cormac McCarthy, dos quais meu favorito é Ray Carver, infelizmente morto precocemente aos cinquenta anos, em 1988, e encontro-me em vias de encarar o dito dificílimo David Foster Wallace ( li um conto dele em um número da Arte&Letra, excelente revista literária de Curitiba). Impressionante como a geração beat ainda influencia a literatura estadosunidense (ai, de novo!). Também tenho gostado dos espanhóis Enrique Vila-Matas e Rosa Montero, ambos muito bons. Mas acabei de voltar de uma pequena rodada de consumo literário com "A volta ao dia em 80 mundos", do Cortázar, nas mãos, e imediatamente mergulhei nos cronópios. É, resistir ao vício parece estar além das minhas forças...

Nenhum comentário:

Postar um comentário